Marinha do Brasil Recebe Visita de Representante do Grupo Centro Oeste

×

Menssagem de erro

Notice: Undefined offset: 1 em counter_get_browser() (linha 70 de /var/www/www3/sites/all/modules/counter/counter.lib.inc).

Pagamento de GRU via PIX e Cartão de Crédito.

Na manhã do dia 14 de outubro de 2021, a Marinha do Brasil, por intermédio da Capitania Fluvial do Pantanal (CFPN), Organização Militar subordinada ao Comando do 6º Distrito Naval (Com6ºDN), recebeu a visita do Tecnólogo Naval Cláudio Padilha, representante do Grupo Centro Oeste, que apresentou o projeto logístico que objetiva re-integrar o Estado do Mato Grosso à Hidrovia Paraguai-Paraná (HPP), por meio da retomada da navegação comercial no Tramo Norte da HPP e construção de um Terminal de Uso Privado (TUP) na cidade de Corumbá, TUP Paraíso.
Durante o encontro, foram apresentados detalhes do projeto do Grupo Centro Oeste que visa implantar e operacionalizar um sistema de transporte fluvial para movimentação de grãos, fertilizantes, carga geral e carga em contêineres, oriundos ou destinados aos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul por meio da Hidrovia do rio Paraguai, utilizando embarcações tipo da HPP, os chamados comboios, de bandeira brasileira e aquaviários nacionais.
Segundo Cláudio Padilha, o projeto atrairá investimentos para a região e o esforço logístico fomentará a Marinha Mercante local, gerando emprego e renda para diversos aquaviários em um período estimado de até 6 anos. O Capitão dos Portos pontuou a importância de investimentos desses porte e ressaltou o papel da Autoridade Marítima ante a construção às margens do rio e em relação à Segurança da Navegação na calha do rio Paraguai e demais rios sob a jurisdição do Com6ºDN.
Como forma de mitigar os riscos de segurança será utilizado rebocador na proa das barcaças a fim de otimizar a manobrabilidade dos comboios, as chamadas “brasília” (bow boat). São empurradores de pequenas dimensões que tem como objetivo de fixar-se à proa dos comboios e gerar força lateral no sentido perpendicular à derrota a fim de auxiliar as operações de manobras nos pontos críticos