AMADOR

Alerta-se àqueles que pretendem contratar um Estabelecimento de Treinamento Náutico (ETN) para obter a Carteira de Habilitação de Amador (CHA), que de acordo com o contido na Seção II do Anexo 5-A do Capítulo 5 da NORMAM-03/DPC, o Estabelecimento de Treinamento Náutico (ETN) contratado para ministrar as aulas tem obrigação de cumprir os Planos de Treinamento conforme descrito nas instruções abaixo. Ressalta-se que a NORMAM-03/DPC encontra-se disponível em www.dpc.mar.mil.br, e que os treinamentos abaixo especificados possuem como propósito a condução da embarcação com segurança e a familiarização do interessado em embarcações de esporte e recreio, inclusive moto aquática, no seu ambiente de operação.

Instruções gerais para o treinamento prático para as categorias de Arrais-Amador e Motonauta, contido na Seção II do Anexo 5-A do Capítulo 5 da NORMAM-03/DPC (Normas da Autoridade Marítima para Amadores, Embarcações de Esporte e/ou Recreio e para cadastramento e funcionamento das Marinas, Clubes e Entidades Desportivas Náuticas).

-Plano de treinamento para Arrais-Amador

O treinamento abordará obrigatoriamente os seguintes assuntos dentro dos tempos estabelecidos:

1. Parte Teórica - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 2h  

A parte teórica deverá ser ministrada no ambiente de emprego da embarcação, estando atracados no berço, ou em movimento, utilizando seus equipamentos, acessórios, materiais de salvatagem e publicações como recursos instrucionais e devendo abordar os seguintes tópicos:

1.1 regras de governo (roda a roda, rumos cruzados, ultrapassagem, etc);   

1.2 orientações para manutenção preventiva da embarcação;   

1.3 noções básicas quanto utilização do transceptor de VHF;   

1.4 freqüência de chamada de socorro/urgência e segurança. Mensagens de socorro;   

1.5 exemplos práticos de primeiros socorros à bordo;   

1.6 noções sobre combate a incêndio descrevendo: triângulo do fogo, classificação dos incêndios e tipos de extintores portáteis (água, espuma, CO2 e pó químico seco);   

1.7 noções sobre sobrevivência e segurança em especial para situações dequeda n’água envolvendo hipotermia; e

1.8 utilização dos tipos de materiais de segurança e salvatagem obrigatórios em especial os coletes e bóias salva-vidas, e como devem ser usados em situações de emergência.

2. Parte Prática - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 4h

A parte prática deverá ser ministrada pelo instrutor com a embarcação em movimento e deverá prever os seguintes treinamentos náuticos:

2.1 demonstração das luzes, marcas e sinais sonoros utilizados pelas embarcações;

2.2 demonstração das regras de governo (roda a roda, rumos cruzados, ultrapassagem);

2.3 demonstração da ação do leme e do hélice;

2.4 execução de manobra de atracação, desatracação, fundeio e suspender;

2.5 apresentação de saída e aproximação segura de praias com ênfase no cumprimento das áreas seletivas para a navegação; e

2.6 execução da lista de verificação para o funcionamento e orientações preventivas quanto à manutenção da embarcação.

Quando em instrução para a obtenção do atestado de treinamento para arrais-amador, é permitido ao candidato conduzir a embarcação, desde que devidamente supervisionado pelo instrutor que será o responsável pelo correto cumprimento das regras estabelecidas no RIPEAM e a segurança da embarcação. A instrução deverá ser realizada em área que não cause interferência com outras atividades náuticas e/ou banhistas.

- Plano de treinamento para Motonauta

1. Parte Teórica - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 1h

A parte teórica deverá ser ministrada no ambiente de emprego da moto aquática, estando atracada no berço, ou em movimento, utilizando seus equipamentos e acessórios como recursos instrucionais e deverá abordar os seguintes tópicos:

1.1 apresentação dos limites operacionais do equipamento;

1.2 apresentação das regras de governo (roda a roda, rumos cruzados, ultrapassagem, etc);

1.3 apresentação das regras para saída e aproximação segura de praias com ênfase no cumprimento das áreas seletivas para a navegação;

1.4 apresentação de situações práticas de emergência que possibilitem testar o comportamento do condutor (queda com retomada de pilotagem, pane seca, etc.); e

1.5 apresentação da lista de verificação de funcionamento e orientações preventivas quanto a manutenção da embarcação. 

2. Parte Prática - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 2h

A parte prática deverá ser ministrada pelo instrutor com a moto aquática em movimento e deverá prever os seguintes treinamentos náuticos.

2.1 realização de manobras e técnicas de pilotagem;

2.2 apresentação dos limites operacionais do equipamento;

2.3 execução das regras de governo (roda a roda, rumos cruzados, ultrapassagem);

2.4 execução de saída e aproximação segura de praias com ênfase no cumprimento das áreas seletivas para a navegação;

2.5 execução de situações práticas de emergência que possibilitem testar o comportamento do condutor (queda com retomada de pilotagem, pane seca, etc.);

2.6 demonstração de utilização dos equipamentos de segurança;

2.7 orientar e se possível demonstrar manobra de abastecimento;

2.8 realizar a manobra de colocação e retirada da embarcação da água; e

2.9 executar faina de embarque e desembarque de passageiros.

Quando em instrução para a obtenção do atestado de treinamento para motonauta, é permitido ao candidato conduzir a embarcação, desde que devidamente supervisionado pelo instrutor que será o responsável pelo correto cumprimento das regras estabelecidas no Regulamento Internacional para Evitar Abalroamento no Mar (RIPEAM) e a segurança da embarcação. A instrução deverá ser realizada em área que não cause interferência em outras atividades náuticas e/ou banhistas.