Histórico

A Marinha idealizou um modelo de Sistema de Abastecimento constituído por órgãos, processos e recursos interligados e interdependentes, com a finalidade de promover, manter e controlar o provimento do material necessário à manutenção das Forças e demais Órgãos Navais em condições de plena eficiência. Incluídos nesse sistema estariam estabelecimentos regionais de apoio logístico, responsáveis pela distribuição de material de várias categorias, com o objetivo de tornar mais ágil o atendimento das necessidades logísticas e colaborar com o aprestamento das Forças Navais.

Dessa forma, aos 25 dias do mês de setembro de 1996, foi ativado o DEPÓSITO NAVAL DE RIO GRANDE, criado pela Portaria Ministerial nº 53, de 29 de janeiro de 1996, dentro da Estrutura Orgânica do Ministério da Marinha com Autonomia Administrativa, sediado na cidade de Rio Grande, Estado do Rio Grande do Sul, subordinado ao Comando do 5º Distrito Naval - Com5ºDN.

A cerimônia de Mostra de Ativação foi presidida pelo Chefe de Estado-Maior da Armada, Exmº Sr. Almirante de Esquadra Domingos Alfredo Silva, e dela constaram os seguintes eventos: leitura do Ato de Criação do Depósito Naval de Rio Grande; leitura da ordem do dia do Comandante do 5º Distrito Naval alusiva à ativação da OM; cerimonial à Bandeira; leitura do Ato de Nomeação do Diretor da OM; investidura no cargo do primeiro Diretor do Depósito Naval de Rio Grande, Sr. Capitão de Corveta (IM) Luiz Angelo de Carvalho Filippo, nomeado pela Portaria Ministerial nº 60, de 1º de fevereiro de 1996; leitura da Ordem de Serviço do Diretor empossado; e assinatura do Termo de Ativação da OM.

O Depósito Naval de Rio Grande passou a contar com uma Organização composta por um Capitão de Fragata (IM) no Cargo de Diretor, auxiliado por um Capitão de Corveta como Vice-Diretor. O Depósito Naval de Rio Grande contou com uma estrutura complexa, executando as fainas de abastecimento de itens da linha de fornecimento do SAbM, POSE, Tráfego de Carga e Fardamento; as fainas de Execução Financeira Centralizada, bem como Obtenção Centralizada; e as fainas de Pagamento Centralizado de Pessoal Militar e Civil da ativa.

Com o advento da Estratégia Nacional de Defesa, a Alta Administração Naval entendeu que seria necessária uma reformulação nos moldes dos Depósitos Navais Regionais e, assim, essa reformulação iniciou-se, pela Portaria nº 121/MB, de 11ABR2011, com a mudança de denominação, para CENTRO DE INTENDÊNCIA DA MARINHA EM RIO GRANDE, e de seu propósito, para “contribuir para a prontidão dos meios navais, aeronavais e de fuzileiros navais, sediados ou em trânsito em suas respectivas áreas de responsabilidade, bem como dos estabelecimentos de terra por eles apoiados”. Em 25 de julho de 2011, foi aprovado pelo Comandante de Operações Navais o Regulamento dos Centros de Intendência da Marinha, de acordo com a Portaria nº 34/ComOpNav.

Nesses anos de existência, o CeIMRG ampliou suas atribuições, deixando de ser um órgão voltado unicamente para atividades de Abastecimento e passando a direcionar, também, seus esforços para a Centralização das Contas de Gestão de Execução Financeira, Obtenção (incluindo Processos Licitatórios e celebração de Acordos Administrativos), Pagamento de Pessoal e COPIMED das OM Apoiadas (OMAp) da área do Comando do 5º Distrito Naval, bem como, as atividades de requisições, em relação ao transporte de pessoal e bagagem, permitindo que as OMAp pudessem dedicar mais tempo à execução das suas atividades-fim.