Perguntas frequentes

Posso repactuar minha taxa de juros contratada?

Não. As taxas de juros aplicadas são as vigentes na data da assinatura do contrato, não podendo ser repactuadas, haja vista a grande quantidade de contratos administrados pela CCCPM e a necessidade de se manter o equilíbrio financeiro necessário, para que possamos atender os nossos beneficiários futuros, na realização do sonho de ter sua moradia própria.

Posso solicitar a retirada de coparticipante?

Coparticipante é assim considerado aquele que agregou o seu salário ao do comprador, de modo a aumentar a renda e, por conseguinte, viabilizar a compra. A retirada do coparticipante somente poderá ser solicitada, ocorrendo separação ou divórcio do casal, na hipótese de o beneficiário que permanecer com o financiamento, possuir capacidade financeira suficiente para o pagamento mensal das prestações ou, ainda, se este adquirir esta capacidade financeira. Caso o coparticipante que permanecer não seja beneficiário da CCCPM, será efetuada análise, com base em cláusulas constantes do contrato de financiamento.

Posso solicitar a mudança do Sistema de Amortização?

Somente os beneficiários que contataram seu financiamento imobiliário e empréstimo de mútuo antes de 2005 pelo PROFIM ou PROMORAR, quando o sistema de amortização em vigor era o PRICE, poderão solicitar a mudança para o sistema SACRE, sem alteração da taxa de juros contratada. A grande vantagem desse último sistema é a redução gradativa do saldo devedor, concomitantemente com a prestação. Entretanto, em alguns casos, haverá aumento no valor da nova prestação, comparada com a anterior no sistema PRICE.

Posso solicitar a prorrogação do prazo de financiamento do imóvel?

Sim. A ampliação do prazo de quitação de seu financiamento pode ser solicitada, observados os limites referentes ao prazo do financiamento e a idade de 80,5 anos, com aprovação da Seguradora Contratada, quanto à cobertura do seguro por Morte e Invalidez Permanente (MIP).

O que é Portabilidade?

É a transferência de uma operação de crédito de uma instituição credora original para uma instituição proponente, por solicitação do devedor. Nessa operação o valor e o prazo da operação na instituição proponente não podem ser superiores ao saldo devedor e ao prazo remanescente da operação de crédito objeto da Portabilidade.

A Portabilidade é feita através um sistema gerenciado pela Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP). Os custos relacionados à troca de informações e à transferência de recursos entre as instituições proponente e credora original não podem ser repassados ao devedor.

A CCCPM, com o intuito proporcionar aos beneficiários financiamento com taxas de juros sempre abaixo das praticadas no mercado imobiliário, vinha operando com a modalidade Portabilidade de financiamento imobiliário. Todavia, em face de resolução do Banco Central do Brasil que criou um sistema de portabilidade através de uma Central de Transferência de Crédito (CTC) informatizada, a CCCPM passou a não conseguir mais realizar a portabilidade com bancos privados, e ao final de 2019, a Caixa Econômica Federal (CEF) também passou a rejeitar a portabilidade fora desse sistema. Em meio a esses contratempos ocorridos, a CCCPM vem estudando uma maneira de resolver a situação, em um primeiro momento, junto a CEF por ser uma instituição financeira do Governo Federal. Diante do exposto, até que sejam encontradas soluções que venham a viabilizar o retorno dessa modalidade, estão suspensos todos os processos de Portabilidade.