CASNAV participa da campanha de validação do Envelope de Vento para a operação da Aeronave UH-17 no Navio Polar “Almirante Maximiano”

Abas primárias

Nos dias 08, 09 e 10 de outubro de 2020, uma equipe do CASNAV embarcou no Navio Polar (NPo) “Almirante Maximiano” para a campanha de validação do Envelope de Vento (EV) para a Aeronave UH-17, também conhecido como diagrama de Limite Operacional de Helicóptero de Navios, da sigla em inglês Ship-Helicopter Operational Limit (SHOL).

O EV é um gráfico polar de condições de velocidade e direção relativas do vento consideradas seguras para a condução de operações de voo de helicóptero no convés de um navio. Outros parâmetros como condição do estado do mar, balanço e caturro também são considerados. O EV é utilizado pelo oficial de manobra para identificar condições seguras de lançamento e pouso das aeronaves, após coletar dados sobre o movimento do navio e as condições do vento de um conjunto de sensores.

A operação foi realizada em conjunto com o 1° Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral. Os testes foram conduzidos considerando diferentes condições de velocidade e direção relativas do vento para alguns tipos de aproximação do Helicóptero no convoo do navio: alinhada com entrada lateral, oblíqua e transporte de carga externa (VERTREP). Foram realizados um total de 85 pousos e decolagens.

O Navio Polar (NPo) “Almirante Maximiano” será empregado durante a 39ª Operação Antártica  (OPERANTAR XXXIX) para abastecimento e apoio à Estação Antártica Comandante Ferraz. A validação do EV permite que as manobras com helicópteros no convoo do Navio Polar sejam executadas de forma mais segura.

As aeronaves embarcadas nos Navios Antárticos representam um importante vetor de apoio aos projetos de pesquisa do Programa Antártico Brasileiro conduzidos no Continente Gelado. Além de proverem sustentação à ciência, em locais remotos e de difícil acesso, são fundamentais no auxílio à navegação nas águas austrais, promovendo o esclarecimento de campos de gelo e indicando a melhor derrota a ser seguida em áreas com grande presença de cobertura glacial.