O Almirante Joaquim Marques Baptista de Leão nasceu no rio de Janeiro em 6 de janeiro de 1847. Ingressou na Marinha em 23 de fevereiro de 1863, concluindo o curso com notável desempenho, sendo o segundo colocado de sua turma. Foi promovido a Guarda-Marinha em 29 de novembro de 1865.

 

       No ano de 1866, Guarda-marinha Marques de Leão, no início da sua carreira militar por ocasião da guerra do Paraguai, embarcou no Encouraçado “Barroso”, onde teve o seu batismo de fogo, na passagem de Três Bocas. Como destaque nos combates durante a guerra, recebeu as seguintes condecorações, que hoje podem ser apreciadas entre as relíquias deste Centro:

 

       – Medalha de Bravura Militar da Campanha do Paraguai;

       – Medalha de Bravura Militar da Campanha do Paraguai; e

       – Medalha Argentina da Guerra do Paraguai.

 

      Foi imediato do então Capitão-de-Mar-e-Guerra Custódio de Mello, na célebre viagem de circunavegação realizada pelo Cruzador Barroso, entre outubro de 1888 a julho de 1890, ocasião em que regressou como Comandante, face de promoção a Almirante do Comandante Custódio de Mello. Comandou o Cruzador Amazonas, a Escola de Aprendizes Marinheiros, novamente o Cruzador Barroso e a Escola Naval. Em 1910, no Governo Hermes da Fonseca, assumiu o cargo de Ministro da Marinha, que deu origem à Escola de Guerra Naval, construiu submersíveis e preparou a organização de novo Código Penal.

     No Governo Hermes da fonseca, uma época conturbada na história desta então jovem República, em 11 de janeiro de 1912, Marques de Leão insurgiu-se contra o bombardeiro da cidade de Salvador por tropas federais, em cumprimento a uma decisão judicial comprometida por interesses políticos envolvidos nas eleições do governo da Bahia. Embora reconhecendo a legalidade da decisão, recusou-se a enviar navios de guerra para a Bahia por considerar o bombardeiro injusto e perverso, renunciou ao cargo em carta endereçada ao Presidente da República. Esta carta passou para Hístoria como a Carta de Ouro, pois o povo baiano, em reconhecimento, enviou um livro de ouro para guardá-la. Faleceu, já na reserva, posto de Almirante, a 4 de novembro de 1913.