Marinha realiza Batimento de Quilha do Navio Polar “Almirante Saldanha”

Leia Mais

Marinha realiza Batimento de Quilha do Navio Polar “Almirante Saldanha”

Primeiro navio polar construído no Brasil já gerou 600 empregos diretos e 6 mil indiretos
17/10/2023
Primeiro-Tenente (T) Ohana Gonçalves
Aracruz, ES

A Marinha do Brasil (MB) deu um importante passo na construção do Navio Polar (NPo) “Almirante Saldanha” ao realizar, hoje (17), a Cerimônia de Batimento de Quilha da embarcação,  no Estaleiro Jurong Aracruz, no Espírito Santo. Na tradição naval, este evento é caracterizado pelo posicionamento de um dos blocos do navio, que faz parte da “espinha dorsal” dele, e pela colocação da moeda na estrutura que corresponde à quilha da embarcação. Simbolicamente, é uma forma de trazer sorte para a embarcação que está sendo construída.

O evento contou com a presença do Ministro da Defesa, José Mucio Monteiro; do Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Marcos Sampaio Olsen; do Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Almirante de Esquadra Renato Rodrigues de Aguiar Freire; e do Diretor-Presidente da Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON), Vice-Almirante (IM) Edesio Teixeira Lima Júnior. Também estiveram presentes o Chefe de Missão e Encarregado de Negócios da Embaixada da República de Singapura, Desmond NG; o Vice-Presidente Executivo da Seatrium para as Américas, Marlin Khiew; o CEO da Sociedade de Propósito Específico Polar 1, Thangavelu Guhan; o Vice-Governador do Espírito Santo, Ricardo Ferraço; e o Prefeito de Aracruz, Luiz Carlos Coutinho.

O Ministro da Defesa externou a satisfação de acompanhar uma importante etapa de mais um projeto conduzido pela Marinha do Brasil, com elevada capacidade gerencial e espírito empreendedor. “Hoje tenho o privilégio de comparecer a essa tradicional cerimônia de batimento de quilha do Navio Polar ‘Almirante Saldanha’, cuja construção é realizada com muito orgulho em solo brasileiro e também representa investimentos em nosso país. Este é o exemplo do Brasil que eu acredito e que dá certo”.


Ministro da Defesa participa de Cerimônia de Batimento de Quilha do NPo “Almirante Saldanha”. Imagem: CB-ES Dantas/MB
 

O Diretor-Geral do Material da Marinha,  Almirante de Esquadra Arthur Fernando Bettega Corrêa, falou sobre a expectativa em torno do navio. “Esperamos ver, em breve, operando nas águas da região Antártica e no País como um todo. A Marinha e a EMGEPRON trabalham juntas na fiscalização e governança do projeto, que segue as boas práticas de gerenciamento de programas e prevê a realização de estudos e planejamentos necessários ao gerenciamento do ciclo de vida do navio e ao apoio logístico integrado”.

Para o Diretor-Presidente da EMGEPRON, Almirante Edesio, o fomento à indústria naval colabora com o desenvolvimento do País. "Com a construção das Fragatas Classe Tamandaré em Itajaí e do Navio Polar ‘Almirante Saldanha’ aqui no Estaleiro Jurong Aracruz,  passamos a ser conduzidos por uma terceira onda de expectativas e oportunidades de alavancagens operativas, tecnológicas, logísticas e industrial com repercussão direta sobre a matriz econômica brasileira, que resultará em considerável efeito multiplicador sobre a economia”.

O CEO da Seatrium reforçou que este é um novo capítulo na história da empresa, que reforça o compromisso com a investigação científica, a sustentabilidade e a responsabilidade partilhada de proteger e preservar o meio ambiente. “Em parceria com a Marinha do Brasil, temos orgulho de estar à frente desse empreendimento. O navio polar, que estamos construindo, será um farol de progresso científico e de colaboração internacional. Este projeto não consiste apenas na construção de um navio, trata-se de construir pontes entre nações, entre áreas de conhecimento e entre o presente e o futuro”, destacou.

NAVIO POLAR

Conduzido pela MB desde 2019, executado pela Polar 1 e gerenciado pela EMGEPRON, o projeto culminará com a construção, pela primeira vez no Brasil, de um navio com capacidade de operar nas águas geladas da região Antártica. A entrega do NPo “Almirante Saldanha” está prevista para 2025.

O navio terá cerca de 103 metros de comprimento, hangar para 2 aeronaves de porte médio, autonomia de 70 dias e tripulação de 95 pessoas, incluindo 26 pesquisadores. Na fase de construção, já foram gerados 600 empregos diretos e 6 mil indiretos, além do fomento à indústria naval brasileira e à base tecnológica nacional.

O modelo do NPo “Almirante Saldanha” reúne o que há de mais avançado em tecnologia naval, prevendo a construção por meio de blocos, confeccionados separadamente e, posteriormente, unidos, dando forma ao navio. Assim, é possível instalar acessórios e fundações de forma antecipada; facilitar a colocação de equipamentos a bordo; e permitir trabalhos em diversos estágios de maneira segregada.

O NPo “Almirante Saldanha” irá substituir o Navio de Apoio Oceanográfico “Ary Rongel”. Ele terá capacidades aperfeiçoadas, possibilitando: a redução do tempo necessário para o reabastecimento da Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), com a inclusão de guindastes modernos e de maior capacidade de carga e manobra ao novo navio; maior segurança na aproximação do navio com a praia, para desembarque de material e de pessoal, em função dos sofisticados sistemas de navegação e de controles; e a ampliação da área passível de ser visitada pelos pesquisadores, incluindo as regiões oceânicas e terrestres.

PROHIDRO

A construção do Navio Polar faz parte do Programa de Obtenção de Meios Hidroceanográficos e de Apoio Antártico (PROHIDRO), que prevê a obtenção de navios hidroceanográficos a serem empregados na Amazônia Azul e em águas polares para que a MB possa cumprir as suas atribuições referentes às atividades hidrográficas, oceanográficas, meteorológicas, cartográficas e de sinalização náutica, garantindo o suporte à aplicação do Poder Naval, além da prestação de apoio de transporte e logística da EACF. Entre os ganhos esperados com a iniciativa estão o aprimoramento na coleta de dados geoespaciais marinhos nas águas jurisdicionais brasileiras e nas águas internacionais de interesse do País, a melhoria na eficácia dos auxílios à navegação e o apoio à pesquisa nacional no ambiente marinho.

Galeria de fotos: 
Agência Marinha de Notícias