Marinha qualifica a primeira mulher a conduzir um navio na Antártica

Leia Mais

Marinha qualifica a primeira mulher a conduzir um navio na Antártica

Durante a 42ª Operação Antártica, a militar tornou-se apta a exercer a função de Oficial de Quarto
13/03/2024
Primeiro-Tenente (RM2-T) Raiane Nogueira e Primeiro-Tenente (RM2-T) Thaís Cerqueira
Rio de Janeiro, RJ

Durante a 42ª Operação Antártica (OPERANTAR), que ocorre até abril deste ano, o Navio de Apoio Oceanográfico “Ary Rongel” qualificou a primeira mulher da Marinha do Brasil (MB) para o serviço de Oficial de Quarto no desafiante ambiente antártico. Isso significa que a militar tornou-se apta a conduzir o navio em diversas situações operativas, como na travessia do Estreito de Drake, durante operações aéreas, no lançamento e recolhimento de acampamentos científicos, nas tarefas logísticas afetas à Estação Antártica Comandante Ferraz, entre outras.

A qualificação da Capitão-Tenente (Intendente de Marinha) Sabrina Caldeira Fernandes da Silva é mais uma conquista na trajetória de 43 anos das mulheres na MB, que foi a pioneira entre as Forças Armadas brasileiras no ingresso feminino em suas fileiras. Em um processo gradual, desde 1981, as mulheres estão cada vez mais presentes em todos os setores, inclusive em atividades operativas. Saiba mais clicando aqui.

Para a Capitão-Tenente (IM) Sabrina, que ingressou na Força em 2016, fazer parte desse pioneirismo tem sido motivo de orgulho. “Ser a primeira mulher a cumprir serviço de Oficial de Quarto em águas austrais é definitivamente uma conquista incrível e motivo de grande orgulho. Após um período de qualificação, que exigiu muito esforço e dedicação, estava apta a cumprir a tarefa que me foi confiada. O desafio não foi pequeno, mas, sem dúvida, muito recompensador”, revela.


A militar passou por um treinamento intenso durante três meses até conseguir a qualificação -  Imagem Marinha do Brasil

O Comandante do Navio de Apoio Oceanográfico “Ary Rongel”, Capitão de Mar e Guerra Marco Aurelio Barros de Almeida, explica que o Oficial de Quarto é uma figura revestida de grande importância em um navio da MB. “É difícil encontrar um paralelo em outras profissões com relação à magnitude das atribuições e à responsabilidade atribuída ao Oficial de Quarto na manutenção da segurança do navio e da tripulação. Ele é, em síntese, o representante direto do Comandante na manobra do Navio”.

Além de se familiarizar com as peculiaridades da operação em um ambiente inóspito, o Oficial que se capacita para o serviço de quarto na Antártica deve passar também pelo processo de qualificação para desempenho das atribuições em condições normais, com clima mais ameno, como as observadas em águas tropicais.

Ainda de acordo com o Comandante Aurelio, há alguns princípios básicos que precisam ser seguidos pelo Oficial de Quarto no continente antártico. “As condições meteorológicas reinantes são extremas e de rápida variação, especialmente no que se refere às mudanças abruptas de vento e precipitação. O Oficial também deve ter conhecimento específico dos tipos de gelo observados à deriva e da navegação em campos de gelo fragmentados. Tudo isso para que, ao fim, consiga cumprir as suas atribuições durante o serviço, observando os princípios básicos da operação no ambiente antártico: paciência, observação e oportunidade”.

Conquistas e desafios a bordo

A Capitão-Tenente (IM) Sabrina exerce também as atividades relacionadas à Intendência, como abastecimento, municiamento e conforto da tripulação do navio. Segundo ela, além dos grandes desafios profissionais, a distância dos familiares por um longo período é um fator que potencializa a dificuldade da comissão, mas ressalta que a sensação de fazer o melhor possível, é sempre recompensadora.

“Estar a bordo desse navio exige de nós muita determinação e abnegação. Mas nos dá muito orgulho de pertencer e saber que tudo isso é em prol de uma missão muito nobre, de prestar apoio indispensável à consecução do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR). A sensação de estar fazendo o melhor que podemos nos satisfaz como profissional e como pessoa”, destaca.


A navegação no continente antártico, não raramente, é realizada entre icebergs, restritos canais austrais e pelo Estreito de Drake – Imagem: Marinha do Brasil

Agência Marinha de Notícias