Marinha integra Exercício Geral de Emergência Nuclear em Angra dos Reis

Leia Mais

Marinha integra Exercício Geral de Emergência Nuclear em Angra dos Reis

Mais de mil pessoas, entre agentes públicos e moradores da região, participaram das simulações
18/08/2023
Primeiro-Tenente (RM2-T) Thaís Cerqueira
Angra dos Reis, RJ

Com participação de mais de mil pessoas, terminou ontem (17) a 29ª edição do Exercício Geral Integrado de Resposta à Emergência e Segurança Física Nuclear, realizado em Angra dos Reis (RJ). O objetivo do “Exercício Itaorna” foi avaliar os procedimentos de evacuação da população, testar a performance e a capacidade das instituições e dos agentes responsáveis pelas ações de resposta, em caso de acidente na Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA).

O Exercício ocorreu sob coordenação do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI/PR), órgão central do Sistema de Proteção ao Programa Nuclear Brasileiro. Ontem (17), o Ministro do GSI/PR, General Marcos Antonio Amaro dos Santos, acompanhou o treinamento. O Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, Vice-Almirante (Fuzileiro Naval) Renato Rangel Ferreira e o representante da Diretoria-Geral do Pessoal da Marinha, Contra-Almirante Neyder Camillo de Barros, também estiveram presentes.

Ministro do GSI durante visita ao Hospital de Campanha da Marinha do Brasil em Mambucaba – Imagem: 2SG-MR Boaventura/Marinha do Brasil

A atividade envolveu a ativação de centros de comando e controle em diversos níveis, para garantir a coordenação e a resposta adequada. “Nesta edição, estamos exercendo o papel de fiscalização e de monitoramento, cumprindo nosso papel junto ao Estado brasileiro e à Agência Internacional de Energia Atômica, a fim de prover a melhor segurança do nosso Sistema de Proteção ao Programa Nuclear Brasileiro”, explicou o Diretor do Departamento de Coordenação Nuclear do GSI, Capitão de Mar e Guerra Marcelo do Nascimento Marcelino.

 

Assista ao vídeo com a entrevista do Ministro do GSI

 

Diversas ações fizeram parte da programação: ativação do sistema de alerta e alarme por sirenes de emergência; evacuação aeromédica de um radioacidentado para o Hospital Naval Marcílio Dias, na capital fluminense; distribuição de kits de iodeto de potássio; evacuação da CNAAA e de parte da população residente nas Zonas de Planejamento de Emergência; concentração de parcela da população nos pontos de reunião e embarque; varredura por veículos e drones em um raio de ação de 5 km das usinas nucleares; evacuação marítima com a participação da população; e coleta de amostras de solo, ar, água e vegetação em diferentes locais.

Presença da Marinha
Além de exercer o Comando Conjunto, a Marinha do Brasil (MB) participou do Exercício “Itaorna” por meio da Força Naval Componente, empregando mais de 600 militares, além de navios, aeronaves e equipamentos da Força Naval.

Uma Ação Cívico-Social foi realizada nas instalações do Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) do Parque Mambucaba, com uma série de atividades e serviços, incluindo atendimento médico, pediátrico e odontológico, vacinação, corte de cabelo, palestras sobre higiene bucal e informações sobre ingresso na MB.

No dia 15, o Colégio Naval recebeu uma exposição, aberta ao público, com exposições de equipamentos, viaturas e embarcações da MB, Defesa Civil, Exército Brasileiro, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, utilizados durante as simulações.

Crianças e jovens do Colégio Indígena Estadual Karai Kuery Renda, durante exposição no Colégio Naval – Imagem: 2SG-DA Flávia/Marinha do Brasil

De acordo com o Comandante Conjunto, Contra-Almirante (Fuzileiro Naval) Elson Luiz de Oliveira Góis, a participação da MB, junto com outras instituições da esfera federal, estadual e municipal, é uma oportunidade de aprimorar a sinergia entre os atores integrantes do Sistema de Proteção ao Programa Nuclear Brasileiro.

“O exercício é uma excelente oportunidade de adestramento das Forças Armadas Brasileiras para atuar em apoio ao Governo do Estado do Rio de Janeiro, órgãos e agências integrantes do Sistema de Proteção ao Programa Nuclear Brasileiro, na evacuação, atendimento de saúde, socorro e proteção da população e do meio ambiente, em situação de emergência nuclear em área contígua à Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto, na cidade de Angra dos Reis”, explicou.

Militares da Marinha durante simulação de descontaminação de pessoas  – Imagem: 2SG-DA Flávia/Marinha do Brasil

 

Galeria de fotos: 
Agência Marinha de Notícias