Marinha atua no enfrentamento à estiagem no Amazonas

Leia Mais

Marinha atua no enfrentamento à estiagem no Amazonas

Governo do estado decretou situação de emergência na última sexta-feira (29)
02/10/2023
Primeiro-Tenente (RM2-T) Thaís Cerqueira
Manaus, AM

O Governo do Amazonas decretou, na sexta-feira (29), situação de emergência e instaurou um comitê para o gerenciamento da crise em virtude da estiagem severa e das queimadas que atingem o estado. Representantes das Forças Armadas e do Governo Estadual participaram de reunião em que foram apresentadas as dificuldades encontradas pelos amazonenses, devido ao baixo nível dos rios e à ausência de chuvas. Ao todo, 19 municípios já decretaram estado de emergência, 35 estão em alerta e cinco encontram-se em estado de atenção.

O comitê da crise atuará em três eixos: no humanitário, levando assistência às populações isoladas; no combate às queimadas; e na preservação da atividade econômica. As Forças Armadas devem atuar no apoio logístico. “Não há nenhum outro ente da Federação com estrutura e capacidade para montar esse apoio logístico. Precisamos levar água potável, alimentos e combustível às populações em estado de emergência”, declarou o Governador do Amazonas, Wilson Lima.

Na reunião, o Comandante do 9° Distrito Naval, Vice-Almirante Thadeu Marcos Orosco Coelho Lobo, detalhou as ações que a Marinha do Brasil realiza ao longo do ano para garantir a segurança da navegação, a salvaguarda da vida humana e a prevenção da poluição hídrica nos rios da Amazônia Ocidental. Além disso, o Almirante destacou o trabalho da Força Naval nos eixos da crise, com a atualização emergencial da sondagem dos trechos críticos do rio Solimões e o levantamento hidrográfico anual do rio Madeira, que garantem a navegação segura e mitigam o aumento no custo dos fretes.

“Nesse sentido e com o objetivo de manter a segurança da navegação, as Capitanias da Amazônia Ocidental e de Porto Velho expediram portarias neste ano, contribuindo para a proteção contra acidentes de navegação que possam interromper o fluxo fluvial ou que possam gerar danos ao meio ambiente”, explicou o Comandante do 9°Distrito Naval.

No combate às queimadas, que ocorrem em sua maioria no entorno de Manaus (AM), o 1° Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral do Noroeste iniciou, no mesmo dia, voos com Bambi Bucket, para apagar focos de incêndio em áreas de difícil acesso. O equipamento possibilita o lançamento de água sobre os focos, visando à total extinção ou à redução da sua área, para facilitar o trabalho das equipes de terra.


Militares da Marinha atuam no combate a incêndios no Amazonas

 

Assista ao vídeo:

Agência Marinha de Notícias