Marinha atende comunidade náutica em edifício histórico no interior de SP

Leia Mais

Marinha atende comunidade náutica em edifício histórico no interior de SP

Ação integra Comissão “Caminho dos Bandeirantes II/Tietê-Paraná” no Oeste Paulista
01/12/2023
Guarda-Marinha (RM2-T) Leonardo Sá
Brasília, DF

A Marinha do Brasil (MB), por meio da Capitania Fluvial do Tietê-Paraná (CFTP), realizou atendimento ao público no edifício histórico conhecido como Palácio do Imperador, localizado no município de Itapura (SP). A prestação de serviços direcionados à comunidade náutica do oeste do estado de São Paulo, ocorreu entre os dias 29 e 30 de novembro.

As ações da CFTP na edificação centenária fizeram parte da Comissão Caminho dos Bandeirantes II/Tietê-Paraná, que navega, desde o dia 16 de novembro, a bordo da Agência Escola Flutuante “Anhanguera” (AgEFlut “Anhanguera”). Além de registro fotográfico de amadores e aquaviários para a emissão de carteiras de habilitação e cadernetas de inscrição e registro, as equipes da CFTP também prestaram esclarecimentos sobre cursos de Ensino Profissional Marítimo. Também foram ministradas palestras sobre as formas de ingresso na Marinha para jovens e adolescentes; sobre a importância da Amazônia Azul para a economia do Brasil; além das funcionalidades do NAVSEG (aplicativo recém-lançado pela Diretoria de Portos e Costas) para colônias de pescadores e marinas, que reúnem numerosas embarcações de esporte e recreio. A população recebeu ainda instruções sobre práticas de segurança na navegação, como uso correto do colete salva-vidas.

 


Militares da AgEFlut “Anhanguera” realizam atendimento em ação da Comissão Caminho dos Bandeirantes II/Tietê-Paraná

O Palácio

O edifício conhecido como Palácio do Imperador, em Itapura, foi planejado e construído pelo Primeiro-Tenente Engenheiro da Armada Antônio Mariano de Azevedo, com o objetivo de abrigar tropas brasileiras durante a Guerra do Paraguai e defender as áreas dos rios Paraná e Tietê. O prédio ganhou o nome de Palácio do Imperador porque, segundo alguns historiadores, Dom Pedro II teria se hospedado no local quando inspecionava militares que atuavam na defesa do Brasil durante a guerra.

Em 1870, após o fim do conflito, a Colônia Militar se consolidou como um marco arquitetônico de Itapura. Hoje, o Palácio é tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do estado São Paulo, e passa por restaurações realizadas pela prefeitura, sob orientação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

O Capitão dos Portos do Tietê-Paraná, Capitão de Fragata Luiz Carlos Calvo dos Santos Junior, destaca o significado do retorno da Marinha ao casarão de Mariano de Azevedo, após 153 anos. “Em proveito da iniciativa da Prefeitura de Itapura em revitalizar o Palácio do Imperador, o Comando do 8º Distrito Naval e a CFTP entenderam que, levar a Marinha do Brasil no local onde a comunidade foi assistida, em meados do século XIX, seria uma forma de garantir maior ação de presença e valorizar a história da MB durante a Guerra do Paraguai na região”.

 

Galeria de fotos: 
Agência Marinha de Notícias
//