“Guardião Cibernético 5.0” comprova efetividade brasileira contra ameaças digitais

Leia Mais

“Guardião Cibernético 5.0” comprova efetividade brasileira contra ameaças digitais

Finalizado nesta sexta-feira (6), exercício teve a presença do Ministro da Defesa e demonstrou prontidão das Forças e instituições do País
06/10/2023
Guarda-Marinha (RM2-T) João Stilben
Brasília, DF

O Comando de Defesa Cibernética finalizou com sucesso, nesta sexta-feira (6), a quinta edição do Exercício Guardião Cibernético (EGC 5.0), que é considerado a maior manobra de combate a ameaças digitais do Hemisfério Sul. 

Na última quinta-feira (5), o Ministro da Defesa, José Mucio Monteiro, visitou a sede do evento (em Brasília-DF) e pôde constatar, junto a dezenas de Oficiais Generais, agências e empresas privadas e públicas, que o Brasil está em sua melhor forma para proteger o espaço virtual de ameaças relativas às Infraestruturas Críticas (ICs): Águas, Energia Nuclear, Transporte, Comunicações, Finanças, Biossegurança e Bioproteção, além de Defesa e Governo digital. 

O Ministro verificou as instalações e oficinas, e participou de palestra e simulações que ocuparam as salas de controle e de operações. Uma delas representou a possível gestão de crise que seria necessária após um suposto acidente aéreo. Sobre esse assunto, o Gerente Técnico de Segurança Cibernética e Facilitação do Transporte Aéreo da Agência Nacional de Aviação Civil, Werllen Andrade, observou que essa é uma forma de realizar um “estresse positivo” nos principais protocolos de segurança digital do País. 

Segundo ele, em relação à IC da qual estava encarregado (Aviação), quaisquer incidentes se agravam em pouco tempo, já que existe relação direta com a preservação de vidas. “A aviação em si é muito sensível às ameaças cibernéticas. Estamos treinando para que, quando algo real acontecer, já saibamos quais ações devem ser tomadas, que acionamentos devem ser feitos, quais  parceiros poderiam nos ajudar. E isso faz com que a resposta seja muito mais rápida e efetiva”, assegurou Werllen.

Durante os cinco dias de EGC 5.0, mais de 100 organizações e cerca de 500 pessoas passaram pelo evento, que tinha como foco exercitar medidas preventivas e reativas frente a cenários de incidentes cibernéticos, com potencial para provocar efeitos adversos sobre estruturas estratégicas, exigindo unidade de esforço com respostas interagências.

O Exercício proporcionou um ambiente colaborativo para maior aproximação entre os importantes atores envolvidos no Setor Cibernético; a validação do Plano Nacional de Tratamento de Incidentes de Redes; e a utilização de ferramenta para compartilhamento de informações sobre ameaças digitais, contribuindo, assim, para o aumento da resiliência cibernética das ICs brasileiras. 

O Chefe do Centro de Gestão Estratégica do Comando de Defesa Cibernética, Contra-Almirante Marco Antônio Linhares Soares, avaliou o evento como sendo extremamente positivo. Para ele, a participação de entidades e empresas, resolvendo problemas cibernéticos que teriam probabilidade de acontecer, mostra que não há soluções individuais, mas conjuntas, para essas dificuldades.

“A visita do Ministro da Defesa mostra claramente a capacidade de integração que o País tem em relação a seus ativos cibernéticos, que abarcam desde grandes empresas e infraestruturas até o cidadão, que utiliza celulares e computadores e, a qualquer momento, pode estar vulnerável”, completou o Almirante Linhares.

Agência Marinha de Notícias