Fuzileiros Navais da Marinha reúnem autoridades militares de nove países em simpósio internacional

Leia Mais

Fuzileiros Navais da Marinha reúnem autoridades militares de nove países em simpósio internacional

Representantes dos Estados Unidos e da China se encontram pela primeira vez depois da reunião dos presidentes desses dois países, há duas semanas
30/11/2023
Capitão-Tenente (T) Fabrício Costa e Primeiro-Tenente (T) Ederson Soares
Rio de Janeiro, RJ

O IV Simpósio do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) reuniu, no Rio de Janeiro (RJ), militares da Argentina, China, Colômbia, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, França, Itália e Portugal. Com o tema “Os desafios da prontidão operativa em um mundo em transformação”, o evento marcou o primeiro encontro do Comandante das Forças de Fuzileiros Navais do Sul dos EUA, General David Bellon, e do Comandante do Corpo de Fuzileiros Navais da China, Almirante Zhu Chuansheng, depois da reunião dos presidentes dos EUA, Joe Biden, e da China, Xi Jinping, ocorrido há duas semanas.

 


Abertura do simpósio pelo Comandante-Geral do CFN, Almirante de Esquadra (FN) Carlos Chagas - Imagem: Sargento Danilo Cruz

Organizados a cada oito anos, os simpósios do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) pautam o desenvolvimento doutrinário, o planejamento de longo prazo, as alterações estruturais e o delineamento de ações estratégicas da Instituição, além de permitir o fortalecimento de laços de amizades de nações amigas, o intercâmbio de conhecimentos e a troca de experiências entre os participantes. Realizada no Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (CIASC), esta quarta edição teve início na última segunda-feira (27) e se encerrará amanhã (1º).

“O mundo hoje é cercado por muitas incertezas e transformações. Há vários conflitos armados acontecendo neste momento. Isso mostra a importância de estarmos preparados e prontos sempre que o Brasil demandar. Pensando nisso, esse simpósio traz uma forte inserção internacional, com a presença de nove nações amigas. Cada país aqui representado vem passando por mudanças significativas e diferentes nos últimos anos. Por isso, essa troca de experiência é tão enriquecedora para todos nós”, afirmou o Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais, Almirante de Esquadra (Fuzileiro Naval) Carlos Chagas Vianna Braga.

Durante a semana, foram realizadas reuniões bilaterais, painéis temáticos, apresentações de Grupos de Trabalhos, visitas a Organizações Militares, desfiles, demonstração operativa e exposição de viaturas blindadas e materiais. Essas ações contribuem para que os Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil (MB) estejam permanentemente atualizados e aptos a responder às demandas dos interesses nacionais brasileiros onde, como e quando necessário.

 


Representantes de nove países acompanham demonstração operativa - Imagem: Sargento Danilo Cruz

 


Participantes do Simpósio conhecem a Base de Operações Temporárias - Imagem: Sargento Danilo Cruz

 


Apresentação do emprego de meios e tropas em operações de guerra naval - Imagem: Sargento Danilo Cruz

 


Desembarque dos Fuzileiros Navais por fast rope - Imagem: Sargento Danilo Cruz

Na noite dessa terça-feira (28), houve ainda uma programação cultural na Fortaleza de São José, na llha das Cobras, no Centro do Rio, para os Comandantes-Gerais dos países participantes e convidados. A Parada Após o Pôr do Sol contou a história, a cultura, as tradições e os valores da tropa anfíbia e expedicionária por excelência do Brasil com uma apresentação especial dos militares das Bandas Sinfônica e Marcial do CFN.  O espetáculo fez uma reverência às Operações Anfíbias, exaltando a evolução ao longo do tempo do Corpo de Fuzileiros Navais de todas as nações presentes no Simpósio, e teve a participação do coral de crianças do Programa Forças no Esporte (PROFESP).

 


Parada Após o Pôr do Sol contou a evolução do Corpo de Fuzileiros Navais - Imagem: Sargento Albuquerque

O Almirante Carlos Chagas considera o fator humano um dos aspectos mais importantes nos conflitos e reforça a necessidade do constante preparo do militar. “Esse simpósio trata do futuro dos nossos Fuzileiros Navais e das evoluções para atender às novas demandas que vão surgindo, seja de pessoal, doutrinárias, materiais ou de qualquer outra área. É fundamental destacar que estamos atentos a tudo o que está acontecendo ao redor do mundo e nos preparando para a guerra do futuro, que, seguramente, será diferente de qualquer outra que já houve”, finalizou.

Agência Marinha de Notícias
//