Conheça a capacidade hospitalar dos navios da Marinha do Brasil

Leia Mais

Conheça a capacidade hospitalar dos navios da Marinha do Brasil

Grandes embarcações projetadas para o combate naval também ajudam a salvar vidas
26/10/2023
Guarda-Marinha (RM2-T) João Stilben
Brasília, DF

Há décadas, a Marinha do Brasil (MB) atua em prol da saúde da população, empregando os conhecidos “Navios da Esperança”, como são chamados seus Navios de Assistência Hospitalar (NAsH). Eles realizam atendimento médico, odontológico, hospitalar e sanitário para ribeirinhos do Centro-Oeste e do Norte do País, e auxiliam em situações de calamidade, como aconteceu no último dia 19, quando o NAsH “Soares de Meirelles” realizou atendimento médico e a entrega de cestas básicas e água mineral para a população do Alto Solimões (AM), castigada por uma seca histórica.

Entretanto, grandes embarcações da Marinha, concebidas para operações de guerra naval, como o Navio-Aeródromo Multipropósito (NAM) “Atlântico” e o Navio Doca Multipropósito (NDM) “Bahia”, também podem atuar como verdadeiros hospitais flutuantes, podendo levar saúde a, praticamente, qualquer região litorânea do planeta.


NAM “Atlântico” e NDM “Bahia”: os dois maiores navios da Marinha dispõem de complexos hospitalares capazes de atender populações em situação de emergência

Mesmo sendo projetados para transporte e desembarque de tropas, veículos, armamento, munição e suprimentos em áreas de conflito, esses navios também desempenham um papel tão importante quanto o de defender o Brasil no mar: o de salvar vidas.

 

NDM “Bahia”

O Navio Doca Multipropósito (NDM) “Bahia”, destinado, prioritariamente, para conduzir operações anfíbias, possui o maior e mais equipado complexo hospitalar embarcado da Marinha do Brasil, com 500 m² que abrigam 49 leitos, sendo oito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), uma área de estabilização, dois centros cirúrgicos com equipamento de Raio-X e capacidade para realizar cirurgias ortopédicas, com leitos para recuperação pós-anestésica.


Equipe médica em exercício de ativação do complexo hospitalar do NDM “Bahia”

“O Navio tem essa estrutura completa. Nós temos a bordo um médico, um dentista, um farmacêutico e uma equipe de enfermeiros, que fazem a manutenção do complexo hospitalar. Mas, em um caso de acionamento, recebemos uma equipe de pronto emprego, composta por médicos de diversas especialidades e enfermeiros, que guarnecem o navio para efetivamente utilizarmos todo o complexo”, afirma o Comandante do NDM “Bahia”, Capitão de Mar e Guerra Cássio Reis de Carvalho.

Parte deste potencial de atendimento foi utilizado em 11 de novembro de 2020, quando o navio atracou no Porto de Santana (AP), empregando uma equipe de saúde para amenizar os impactos da falta de energia elétrica que afetou gravemente o Estado. Na ocasião, foram desenvolvidos o atendimento primário no controle de doenças crônicas, do tipo hipertensão e diabetes, além de emergências por dores localizadas e infecções menos complexas, bem como a administração de medicações emergenciais.

Assista ao vídeo e confira imagens de um exercício no complexo hospitalar do NDM “Bahia”:

 

NAM “Atlântico”

Em fevereiro deste ano, o Navio-Aeródromo Multipropósito (NAM) “Atlântico” atracou no porto de São Sebastião (SP), dando início à Operação “Abrigo pelo Mar” da Marinha do Brasil (MB), em auxílio à população afetada pelas fortes chuvas que atingiram o litoral norte de São Paulo. Na ação, o NAM “Atlântico” empregou um efetivo de mais de 1.000 militares e disponibilizou 200 leitos, além de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) completa.


Um hospital de campanha chegou a ser montado no espaçoso hangar NAM “Atlântico”

 

Na operação “Abrigo Pelo Mar”, a MB colocou, à disposição dos habitantes do litoral norte paulista, 28 profissionais de saúde de diversas especialidades, como ortopedia, cirurgia geral, enfermagem e odontologia. Paralelamente, aeronaves embarcadas foram empregadas para reconhecimento, transporte de materiais e equipes técnicas, além de evacuação aeromédica, totalizando 100 horas de voo.

A chegada do navio permitiu a criação de uma estrutura hospitalar, que reforçou o atendimento médico aos desabrigados, de forma a desafogar o sistema de saúde da região, que priorizava casos mais graves.

“O complexo hospitalar do navio possui um centro cirúrgico, uma UTI, e leitos disponíveis para pacientes. Ou seja, o navio tem grande capacidade de atendimento em situações de catástrofes, como aconteceu em fevereiro. Neste caso de São Sebastião, como as estradas estavam bloqueadas e o acesso mais fácil era pelo mar, o navio foi empregado e pôde prestar todo apoio a quem necessitava de atendimento", destacou o Comandante do Navio-Aeródromo Multipropósito (NAM) “Atlântico”, Capitão de Mar e Guerra Eugênio Campos Huguenin.

 


Equipe médica presta atendimento durante a operação “Abrigo Pelo Mar”

O NAM “Atlântico” tem capacidade para transportar 18 aeronaves em seu hangar e convés de voo. Possui 208 metros de comprimento, 432 tripulantes e pode comportar até 1.400 militares quando em missão.

Assista ao vídeo e confira o NAM “Atlântico” pronto para atender a população durante a operação “Abrigo pelo Mar:

 

 

 

Navios da Esperança

Em regiões de difícil acesso, muitas famílias se encontram desassistidas quanto a atendimentos médicos, odontológicos e hospitalares. É o que acontece em diversos pontos da Amazônia e do Pantanal, isolados dos grandes centros urbanos, e apenas acessados por rios ou por via aérea.

 


NAsH “Tenente Maximiano” atendendo ribeirinhos do Pantanal

Para mitigar o desalento desses brasileiros, desde o final da década de 40, a Marinha realiza o trabalho de levar vida e esperança aos rincões mais distantes do país, conduzindo as Operações de Assistência Hospitalar à População Ribeirinha, que se traduzem em verdadeiros acontecimentos na vida das comunidades carentes ao longo dos rios.

Com a chegada dos Navios de Assistência Hospitalar (NAsH), crianças, adultos e idosos recebem atendimento médico, odontológico, cirúrgico, laboratorial, farmacêutico e imunizações, além de orientações sobre higiene e educação sanitária. Muitos brasileiros nasceram a bordo desses navios que, por todo esse trabalho, recebem o carinhoso apelido de “Navios da Esperança”.

A Marinha do Brasil dispõe dos seguintes navios que prestam assistência à saúde das populações ribeirinhas:

No 4º Distrito Naval (Leste Amazônico):

Navio Auxiliar NA “Pará” e, futuramente, o NAsH “Anna Nery” (em construção);

No 6º Distrito Naval (Pantanal): NAsH “Tenente Maximiano”; e

No 9º Distrito Naval (Oeste Amazônico): NAsH “Oswaldo Cruz”, NAsH “Carlos Chagas”, NAsH “Doutor Montenegro” e NAsH “Soares de Meirelles”.

 

Assista ao vídeo e veja como é o trabalho de atendimento aos ribeirinhos pelo NAsH “Soares de Meirelles”:

 

Galeria de fotos: 
Agência Marinha de Notícias